terça-feira, 6 de junho de 2017

Antrovista: Davi Paiva

Nosso amigantro é paulista graduado em Letras. Participou de várias antologias de contos por diversas editoras, inclusive na "Poderes" e "Monstros entre Nós", pela Darda Editora, onde foi coautor e organizador de ambas, e é autor do livro "Cavaleiro Negro", que também saiu pela mesma editora. Publica suas obras em diversos sites, entre eles o Recanto das Letras. Com vocês... Davi Paiva!



Antro Literário- Davi, como foi a sua adolescência? Os livros fizeram parte na sua rotina?
Davi Paiva- Li relativamente pouco nessa época. Não por falta de vontade. Era por falta de oportunidade. Como sou de família pobre, o pouco dinheiro que eu adquiria só servia para comprar HQs, mangás (fui da época em que a Conrad publicou Dragon Ball no Brasil), revistas Superinteressante e enciclopédias em uma biblioteca perto de casa (fui criado em um sobrado em cima da casa da minha avó onde só tinha enciclopédias para ler. Daí peguei afinidade com barsas). O meu contato mais frequente com literatura era por conta de livros da Agatha Christie que eram vendidos em uma feira aqui do bairro: comprava um exemplar por R$ 2,50 e obtinha um no sistema de troca "dê dois exemplares e consiga um". Lia os dois em uma semana e os usava para obter outro. O segundo eu comprava. E assim eu li quase a banca toda... (risos)

Antro Literário- Qual o livro que mais impactou na sua vida naquela época?
Davi Paiva- Assim como muitos da minha idade (fiz 30 em março), tive um grande estopim lendo a saga Harry Potter. Por mais que eu tenha sido alfabetizado relendo "O Pequeno Príncipe" várias vezes (um exemplar do meu tio. Como eu disse, não tínhamos muito dinheiro...) e tenha uma profunda admiração pela obra até hoje, não nego que as minhas raízes como leitor e amante de literatura fantástica se deram graças ao trabalho de J. K. Rowling.

Antro Literário- Que tipo de conteúdo precisa ter em um livro para prender a sua atenção?
Davi Paiva- Um bom começo (as primeiras quinze linhas devem ter algo que me façam querer continuar lendo a obra), descrições somente das coisas necessárias, trama com coesão interna (quando ela não viola a sua própria lógica) e coesão externa (quando ela não fica surreal ao ponto da garotinha de oito anos matar um exército inteiro...), além de evitar o Deus Ex Machina e ganchos desnecessários para continuações.

Antro Literário- Como é a sua rotina de marketing e divulgação literária?
Davi Paiva- Atualmente é bem tranquila. Divulgo os meus livros em minha página de escritor e página pessoal, além dos poucos grupos de Facebook do qual faço parte. Escrevo para dois blogs, mas um deles vai ser desativado (infelizmente) e procuro interagir com alguns escritores comentando suas postagens em páginas pessoais ou em grupos para escritores. De vez em quando rola umas brigas, mas isso faz parte (risos).

Antro Literário- Qual livro que você leu que acha que daria um bom filme?
Davi Paiva- O meu. Por que não? (risos)
Brincadeiras a parte, alguns livros são muito difíceis de serem adaptados porque envolvem cenários muito incríveis ou efeitos especiais que, com certeza, o pessoal de Hollywood só quer investir se tiver certeza que vai ganhar US$ 1 bilhão. Seja como for, creio que "O Cordeiro" de C. Moore ia gerar uma boa polêmica se fosse para as telonas. Já a série "Artemis Fowl" exigiria uma boa equipe de produção. Se quiserem fazer uma produção mais modesta e carismática, recomendo "O Herói dos Tabuleiros", do brasileiro Ricardo Criez.

Antro Literário- E qual filme acha que seria melhor contado em um livro?
Davi Paiva- Estou em uma fase de gostar de filmes "questionadores de realidade" como "Matrix", "Doutor Estranho" e "Cidade das Sombras". Creio que eles ficariam legais em livros e mais detalhados sem perder o charme.

Antro Literário- Se a sua vida fosse um romance de ficção, qual seria o título?
Davi Paiva- "O Sobrevivente". Já passei por cada coisa... (risos)

Antro Literário- Conta pra gente sobre o Cavaleiro Negro. Como foi sua experiência em escrevê-lo?
Foi uma experiência incrível. Mesmo depois de amadurecer muito como escritor, acredito que entreguei uma obra bacana, que prende a atenção logo na primeira página e promove a diversidade pelo fato de mal descrever personagens. Quem quiser imaginar que o protagonista é branco, vai imaginar. Quem quiser pensar que ele é negro, vai pensar também.
Levei um ano e três meses para escrever, aproximadamente. Depois foram quase 6 meses de reescrita com leitura beta e mais 6 em revisão.
Valeu a pena.

Antro Literário- Houve alguma pesquisa especial para compor a trama deste livro?
Davi Paiva- Muitas! Como criar mundos fantásticos, tipos de esgrima, combate desarmado (como treinei Kung Fu dos 17 aos 19 anos, essa parte foi mais fácil), parâmetros para criar magia, táticas de guerra medievais (do cerco ao assalto), formas de governar e até como extirpar um coelho... (risos)
Nem tudo que eu pesquisei acabou sendo usado. Porém aproveito o conhecimento e o divulgo ou o uso para novas histórias.

Antro Literário- Qual escritor você gostaria de ter como vizinho?
Davi Paiva- Como moro em apartamento desde os 13 anos, estou acostumado a ter muitos vizinhos (risos).Mesmo que "Cavaleiro Negro" seja um romance, tenho muita afinidade por contos e crônicas.
Logo, queria ser vizinho de contistas consagrados como o Machado de Assis ou do Luis F. Veríssimo, além do pessoal que participou da primeira antologia que organizei.Agora se insistir para que eu coloque romancistas na lista e/ou que eu expanda o meu leque para autores estrangeiros, coloco o Ricardo Criez, Mark Twain e Rick Riordan na lista.

Antro Literário- Qual a sua experiência literária mais marcante?
Davi Paiva- Desde 19/01/2013, data em que foi publicada a minha primeira antologia (embora eu já tivesse passado em outro concurso que, por questões de atraso, só saiu em dezembro daquele mesmo ano), fui do céu ao inferno no mercado editorial. Já publiquei em antologias pagando caro e não aprendendo nada com editores e/ou organizadores, já tive que denunciar editores e organizadores picaretas, já fui autor convidado a participar de antologias e considerado
incapaz de organizar alguma, já enfrentei pessoas que queriam me denunciar sem saberem todo o contexto da conversa, já conheci escritores famosos antipáticos ou babacas da mesma forma como vi que muitas pessoas simpáticas na internet são realmente incríveis pessoalmente, etc.
Não sei se tenho apenas uma experiência que considere a maior. Acredito que todas me levaram até aqui e cada oportunidade que eu ganhei ou que eu fiz por merecer (o mais corriqueiro em minha vida) fizeram de mim a pessoa que sou hoje. E espero continuar me aprimorando e separando o joio do trigo sempre.

Antro Literário- Qual projeto literário está em andamento que queira nos contar?
Davi Paiva- Em maio, começo a organizar duas novas antologias com previsão para publicação no primeiro semestre de 2018. Uma eu organizo sozinho e a outra será com parceria do escritor Lucas Palhão, mais uma das incríveis pessoas que tive o prazer de conhecer no mercado editorial.
Em projetos solo, estou com um livro de contos que se passa no mesmo mundo de "Cavaleiro Negro" em processo de revisão, o qual quero lançar em plataformas digitais. Além dele, outro livro de contos com a mesma regra, porém este sairá em versão impressa com previsão para 2019.

Antro Literário- Que sonho LITERÁRIO realizaria se ganhasse na loteria?
Davi Paiva- Abriria uma editora para autores nacionais e sem custo, mas eu só ia publicar quem estudasse bastante para escrever (risos).

Antro Literário- Quais os meios de contato (e-mails, sites, blogs, redes sociais, etc) para os leitores conhecerem você, suas obras e projetos?
Davi Paiva- A minha página de escritor no Facebook é bastante ativa (www.facebook.com/davipaivalivrosetextos). Nela, eu divulgo tudo da minha vida como escritor: livros que estou vendendo, oferecimento de serviços (entrei no ramo de leitura crítica. Quem quiser, pode entrar em contato), artigos que escrevo ou recomendo, novidades sobre a minha carreira, etc.

No mundo dos blogs, esse aqui é o que eu mais escrevo: detonerds.blogspot.com.br

Por Leo Vieira

2 comentários:

  1. Esse cara é fera! Escreve bem. Tem boas ideias e não fica cheio dedos pra explicar o que sabe para os novatos (ele ainda se lembra de que ja foi um).

    ResponderExcluir